sábado, 25 de outubro de 2014

Pirata...e a Budweiser

Caros amigos da Pirataria Alada...meu cordial “Hi!”

Há muito tempo prometo falar sobre a relação deste bom e velho pirata (mais bom que velho...ou não),com o “precioso” liquido douradamente refrescante conhecido como : “ cerveja” (ou “Beer”...como preferem os gringos)... e particularmente a Budweiser (conhecida como a “king of the beer “...ou Bud para os íntimos)

Essa história começa há alguns anos( para ser mais exato em 1998)quando ainda a pirataria alada tinha contornos oficias e este pirata que vos fala ostentava a cobertura negra e a estrela dourada de Lince Lider outorgados pela querida Marinha do Brasil.

Naquela época,tive oportunidade de desfrutar da convivência com alguns “ases” da Aviação Naval do Tio Sam....e foi num barzinho da pacata Key West que conheci o Lt Tom Cane’s Foot  ,piloto de AV-8 da USNavy . Depois de alguma conversa mole ele me apresentou a “Bud”.Confesso que foi um caso de amor ao primeiro gole!Naquela época a Sereia de todos Mares (que respondia pela alcunha de Pi) e me acompanhava como Primeira Dama da Caverna dos Linces, testemunhou esse caso de amor e deu a sua benção nos momentos em que a minha atividade aérea , permitisse.

De Key West partimos para Pensacola, no litoral americano do Golfo do México.Lá,no balcão voltado para o por do sol, no clube dos “ Blue Angels”,foi onde consolidei o meu amoroso relacionamento com as Buds,acompanhado pelos Top Guns dos Anjos Azuis e seus F-18s,admirando em silêncio, a deslumbrante despedida diária do astro rei ao Golfo do México.Ao final da cerimônia o tradicional  brinde regado a Buds:

“Arriba...Abajo..El Centro..y a Dentro!!!...GGRREEUUOOu! (respeitoso arrôto)....AGA...Á “  (como convém a todo bom pirata alado).

De Pensacola... ligação direta com San Diego e seus museus navais. Ao admirar num dos parques a grande estatua que eterniza o beijo do marinheiro na desconhecida enfermeira ao ser anunciado o fim da 2° Guerra Mundial....brindei satisfeito...(logicamente com uma ... Bud).

Naquela época, descobri lá pelos USA que a tal de Budweiser e a tal de Coca- Cola, alem de deliciosas ,  eram” ícones” da cultura popular americana

Alguns anos depois, já como pirata privado ativo (e assumido) , eu não entendia porque, a bordo da Nau Pirata, tanto a Bud como a Coca (Cola ...que fique bem claro), não eram bem-vindas.

Muito bem , dito isso...passemos a outro cenário..: Ano de 2008 a bordo da Nau Pirata(que naquela época era comandada por Sir Roy), desfrutando das  águas e sol , da paradisíaca Polinésia Francesa.

Neste novo cenário,Sir Roy, sul africano com pinta e vontade de ser inglês,era conhecido como “Pirata Roy .. o picareta”. Grande navegador que navegava pelo Pacifico sempre com uma picareta na mão pronto a garimpar tesouros alheios perdidos e enterrados nas praias da vida.



Foi num dia maravilhoso,depois de desfrutar das transparentes águas do lago azul do paradisíaco e isolado atol de Temoe, no arquipélago polinésio das Gambiers, que pousei o Sea Baboon na Nau e fui recepcionado pelo captain Roy que rapidamente me comunicou :

“ We will  to New Zealand !”. 


Num primeiro momento ... pesar...  por deixar a paradisíaca Polinésia...mas logo resetei e virei minha atenção para o novo alvo ... a Nova Zelândia . Como não conhecia aquelas ilhas da Oceania, fui pesquisar e descobri  que o nome do país  (Nova ZÉlandia...ou Nova Terra do Zé ... como queiram) entre outras conjecturas, era uma homenagem ao meu bom amigo, ZÉ Barreira (piloto sério de offshore) e sendo assim, fiquei feliz de desbravar essa nova terra (e mares)
Navegamos sob mar de almirante até Auckland (capital da Terra do Zé)e lá chegando recebemos a noticia que receberíamos a bordo o grupo de “caçadores de peixes” que em outras oportunidades já haviam desfrutado das instalações da Nau Pirata(equipada para fazer de tudo... até para ...não fazer nada).Fiquei feliz com a notícia,até porque me era agradável a covivência com aquele grupo brasileiro de caçadores de peixes que sempre prenunciava fartura de Dourados  grelhados e filés de Tunas no jantar. Na falta das gringas Bud e Coca(Cola... claro..e proibidas a bordo...não sei porque) para refrescarem os jantares, certamente teríamos as brazucas Bahamas , Antárticas, Bohemias e etc alem do delicioso Guaraná Antártica.

No dia seguinte, chegaram os três subaquáticos caçadores.: 





O Jotapê, mais velho porem não menos atlético ,magro e altivo, muito educado com pinta de suíço , apesar da cidadania brasileira que era conhecido a bordo como “ Big Boss”







O Mike Tango, sempre muito ativo e focado, era conhecido a bordo como “Beard”.Acredito que a razão deste “call sing” dado pelos gringos a bordo era devido a barba curta e bem cuidada que o Mike Tango ostentava.








O terceiro caçador de peixe era alto , magro e por ser quem dava as ordens a mim diretamente, passei a chama-lo de “Chefe”.Os outros o chamavam simplesmente de Beto, e foi ele que determinou que a Nau deveria levantar ferro e se dirigir para Great Barrier (uma ilha a nordeste de Auckland ) distante umas 60 milhas náuticas.



Mais uma vez fiquei orgulhoso pela homenagem kiwi a outro grande amigo meu.Desta feita a homenagem era dirigida ao Comandante Barreira (aquele carrancudo milicão retirado de Marinha). Afinal a tradução de” Great Barrier” ( a ilha para onde nos deslocávamos) é : “ GRANDE BARREIRA” ( meu bom amigo carrancudo)

Levantamos âncora e nos dirigimos para a ilha do Grande Barreira.La chegando fundeamos a Nau na enseada de Port Fitzroy a tempo de apreciarmos um maravilhoso por do sol, enquanto os caçadores mergulhavam em busca dos nossos jantares : ... os peixes.
Tudo estava perfeito e passei uma noite tranquila e agradável, porem percebi que os caçadores de peixes estavam empenhados numa frenética atividade de comunicações por meio de internet e telefones celulares durante toda a madrugada.Como pirata que é pirata não se mete na vida de ninguém ... dormi o sono dos justos.


O dia seguinte amanheceu completamente fechado na enseada Fitzroy. Chovia uma chuva fina e o teto das nuvens não ultrapassava 300 pés. Era uma visão triste que não nos permitia curtir as belezas naturais da ilha, mas prenunciava um dia de meditação profunda sob os braços de Morfeu, se não fosse a frenética atividade de contatos telefônicos e virtuais exercida pelos caçadores de peixes.Em determinado momento , o Chefe,entrou no meu camarote e determinou:

“-Pirata...o Beard tem que ir para o aeroporto de Auckland para pegar o avião e decolar imediatamente para os USA !! “

... e completou com a pergunta :

“Voce acha que dá para levá-lo para Auckland no Sea Baboon ??”

Meio surpreso com a missão recebida e tentando responder a pergunta, dei um pulo do beliche e fui avaliar” in loco” as condições meteorológicas .Considerando que o seaBaboon não é um helicóptero preparado (nem homologado) para voos por instrumentos, só me restava o voo visual e para tal, teria que voar abaixo dos 300 pés (base da nuvens).Ao comunicar ao captain Roy a minha missão recebida , pedindo que preparasse o convés de voo para lançamento do Sea Baboon, ele alegou que não faria nada porque aquele voo não seria possível , aquela hora, porque o aeroporto de Auckland estava fechado para voos visuais.Nesse momento iniciou-se uma discussão sobre a realização da missão. Aleguei que iria decolar sozinho para avaliar as condições de visibilidade fora da enseada e caso julgasse o voo possível voltaria para bordo e decolaria com o passageiro para Auckland e lhe deixaria numa praia próxima com capacidade de pegar um transporte rodoviário para o aeroporto.(No meu íntimo , eu sabia que uma solicitação do Chefe, naquelas condições , só poderia ser algo muito importante , caso contrario ele não a faria).Quando a discussão , entre este pirata que vos fala e o Roy Picareta tomava rumos hostis, surge o Mike Tango (o Beard) e determina:

“- Vamos decolar e fazermos uma avaliação das condições juntos...se você Pirata Alado ,achar que não é viável... retornamos... se você achar que tem condições ... prosseguimos !”

Diante dessa ordem,o Captain Roy saiu muxoxando e preparou o convés de voo para decolagem do sea baboon.


Decolamos ,eu e Beard.Mantive 200 pés com 100pés setado no radar altímetro,com visibilidade restrita.(me lembrei dos bons tempos de Super Lynx quando executávamos planos de ataque a baixa altitude).Meu plano era, voar entre 100 e 200 pés mantendo condições de voo visual , tentando visualizar a ilha de Little Barrier ,distante cerca de 15 milhas do barco...de la mais 15 milhas para o litoral da North Island da Nova Terra do Zé, e ao atingir o litoral desembarcar o Beard para pegar uma condução terrestre para Auckland.Não foi preciso. Ao atingirmos uma praia no litoral me lembrei de uma famosa frase de um velho (e sábio) companheiro NAVAL do ninho das águias em São Pedro D’aldeia , o tio Ney,que dizia :

“- Me dê uma praia e chegarei ao Alaska !”

Não precisei ir tão longe.Com a praia no visual ,voei “praiodrômico” a baixa altitude e cheguei a Auckland em segurança, pousando no heliponto de Machanic Bays (um helicentro litorâneo da cidade) .De lá, Beard pegou um taxi e escafedeu-se apressado para o aeroporto.Eu ,fui para um hotel porque voltar para a Nau naquelas condições .... “nem pensar “ !

Passei uma excelente noite desfrutando do merecido descanso por mais uma missão cumprida em segurança, instalado num dos vários bares no entorno da marina de Auckland e observando os milhares de veleiros e seus tripulantes kiwis e claro , degustando um suculento filet de Angus grelhado com batata frita , brindando com uma Bud ..a mais um emocionante dia na vida de pirataria alada.


O dia seguinte amanheceu deslumbrante. Acordei tarde no hotel e fui para o café da manhã. A televisão estava ligada e mostrava imagens de um telejornal internacional. Em dado momento, uma manchete me chamou atenção: “- Brasileiros adquirem um ícone americano ...a Budweiser!..e a imagem que ilustrava a reportagem era a do Mike Tango (o Beard)sorrindo. Me aproximei para ouvir os comentário na televisão e fiquei pasmo quando ouvi o repórter anunciar que um grupo de brasileiros acabava de assinar a maior transação privada no mundo adquirindo a Anheuser-Bush , grupo americano proprietário da cerveja Budweiser (um dos ícones da cultura americana) , tornando-se assim a maior cervejaria do mundo .As imagens mostravam um feliz caçador de peixes Beard (que no dia anterior eu havia transportado da Nau para Mechanic Bays) apertando a mão de um carrancudo Mister Bush IV selando a transação .
Fiquei orgulhoso!Terminei meu café,consultei  a meteorologia, peguei o SeaBaboon e voltei para Nau com uma agradável sensação de vitória por uma missão importante cumprida. 

Ao pousar na Nau, percebi o clima alegre de vitória. Quando me dirigia para meu camarote cruzei nos corredores com o Chefe. Contidamente sorridente ele me cumprimentou e me convidou para um brinde na sala estar. Ao chegar, me surpreendi com a presença do Big Boss. Me foi oferecido um copo de cerveja  e reparei pela primeira vez a bordo da Nau uma garrafa de Budweiser repousando, em destaque, sobre a mesa...e brindamos em bom português brasileiro:
“- SAÚDE !!”  (tim-tim)
...intimamente desejei àqueles caçadores de peixes (agora proprietários da maior cervejaria do mundo)... muito sucesso! ...e fiquei imaginando que na próxima missão desses caras a bordo da Nau ....quem sabe não estaremos brindando com ...Coca-Cola ???!!!
Hoje meio retirado das aventuras piratescas do bem, devo dizer que me sinto honrado por ter  convivido e aprendido muito com esses três caçadores de peixes : o Jotapê, o Mike Tango e o Chefe. Alem de matarem muitos peixes, esses caras sempre foram muito corretos, leais e competentes em tudo que fizeram até onde me coube observar.

A eles (e a Bud) , ...o meu mais respeitoso ...desejo de sucesso e vida longa....
Aos meus caros seguidores...espalhados pelo mundo ...um beijo na bunda.



OBS:

 “O texto acima é a mais pura ficção fruto da imaginação de um pirata alado (não merecendo nenhuma credibilidade). Qualquer semelhança com fatos e pessoas é uma mera coincidência”